Aprenda como diminuir a ansiedade no ambiente de trabalho

A rotina profissional nos dias atuais não tem sido favorável em relação a cobranças. Uma das principais causas da ansiedade no trabalho, segundo pesquisas, além da pressão por melhores resultados, é a falta de reconhecimento nas capacidades profissionais dos funcionários. O que torna difícil para uma pessoa saber como diminuir a ansiedade.

A situação leva a uma bola de neve insustentável: o empregado se sente desmotivado, o rendimento cai, a cobrança aumenta, o funcionário se critica. Mas calma, existem formas simples de diminuir a ansiedade e passar por fases difíceis sem maiores problemas.

Sabendo que a prevenção e o controle da ansiedade se mostram fundamentais para que o desempenho das atividades no trabalho seja eficaz e produtivo, destacaremos neste post o que é e como diminuir a ansiedade no ambiente de trabalho. Confira!

Entenda o que é ansiedade e estresse no trabalho

A ansiedade é uma disfunção muito comum no ambiente de trabalho das empresas, caracterizado pela aflição, apreensão e apavoramento constante nas tarefas rotineiras que os funcionários exercem. Esse transtorno apresenta-se de forma imperceptível para várias pessoas, e além das complicações mentais, a doença pode gerar problemas físicos.

Por isso é primordial atentar aos primeiros sinais do sintoma, para tratar da forma mais eficiente possível. As inobservâncias dos indícios de ansiedade podem causar outros tipos de doença, como depressão, hipertensão, enxaquecas, alergias, gastrites e úlceras.

A ansiedade e o estresse podem causar prejuízos graves para o corpo humano se não forem tratados adequadamente. A partir disso, tanto a vida pessoal quanto o desempenho profissional é comprometido.

Os principais sintomas da ansiedade estão relacionados à inquietação, sudorese intensa, mal-estar e angústia. O indivíduo tem a necessidade de se mexer o tempo todo, balançando as pernas, braços, roendo unhas e puxando pelos. Também é comum a dificuldade em entender e escutar as outras pessoas.

Há diversas variações dos sintomas da ansiedade, mas vale destacar os vícios e maus hábitos. Pessoas ansiosas e estressadas aumentam a ingestão de alimentos ricos em sódio e açúcar, que são poderosos calmantes.

Além disso, pode-se observar o uso constante de substâncias alcoólicas e nicotina em ansiosos e estressados, pois causam um grande efeito ansiolítico, antidepressivo e calmante, porém por pouco tempo. Após o uso, o corpo humano sofre bastante com esses efeitos, principalmente em longo prazo.

Em muitos casos, a pessoa não consegue identificar que o medo e a angustia sentida é ansiedade e, por isso, é um transtorno extremamente prejudicial.

Identifique as causas que o deixam ansioso

O primeiro passo para controlar o nervosismo é identificar quais são as causas do desânimo com o trabalho. Não adianta dizer a si mesmo que é apenas a pressão diária, pois uma justificativa sem análise detalhada pode impedir ações mais adequadas para se acalmar.

Uma forma muito simples de chegar à origem do problema é verificar quais tarefas diárias desagradam você. Fazendo esse exercício, aos poucos notará pontos específicos que geram estresse.

Tire para análise momentos em que não estiver no ambiente de trabalho, pois pode atrapalhar sua produtividade, nem com seus familiares e amigos, pois podem afetar sua convivência com eles. 

A pausa para o café, a volta para casa, ou mesmo durante a realização de tarefas pequenas são instantes em que você pode refletir sobre sua ansiedade no trabalho. A partir disso você poderá contornar as situações com calma e direcionar as soluções para o que realmente interessa.

Diminua a ansiedade com dicas práticas

Após identificar as causas reais do nervosismo, é hora de se dedicar a atividades que ajudem de fato a manter os nervos aliviados. Isto significa se desligar da empresa após o horário de expediente.

Praticar atividades físicas, mesmo que uma simples caminhada, ajuda a manter a circulação e a se afastar dos problemas por tempo suficiente para diminuir a ansiedade. E se caminhar não for o suficiente, corra ou faça academia.

Participe das atividades em grupo na empresa em que você trabalha, se houver. A ginástica laboral, por exemplo, é um bom momento para se desligar do escritório e relaxar por alguns minutos, pois você retorna com a cabeça fresca.  

Dedicar-se a hobbies e às pessoas que você ama é essencial para diminuir a ansiedade. Aqui vai um conselho importante: nenhum trabalho, por mais incrível e interessante que seja, deve ocupá-lo a ponto de deixar seus entes queridos em segundo plano. São eles que vão ampará-lo em momentos difíceis.

Beber chás também pode ser um hábito muito benéfico para ajudar na diminuição da ansiedade, visto que as suas substâncias servem como uma anestesia natural e suave para a mente e corpo. Procure chás derivados de passiflora, camomila, mel, melissa e erva-cidreira.

Ter uma alimentação adequada no ambiente de trabalho é outro ponto importante para diminuir a ansiedade. Sem uma dieta balanceada, não é possível obter o potencial máximo de desempenho profissional, pois gera desconcentração e falta de paciência, por exemplo.

Ouvir músicas relaxantes enquanto trabalha ajudará na sua produtividade, principalmente se você fizer a utilização de fones de ouvido, já que afasta os sons externos e o foco na atividade executada aumenta. Uma boa sugestão é ouvir músicas utilizadas em práticas de meditação.

É importante estabelecer prioridades quanto à própria rotina de trabalho. Este é o real objetivo da análise sugerida acima: mesmo que existam outras dificuldades, elas não devem tirar o seu foco. Do contrário, a tendência é voltar aos maus hábitos e gerar problemas mais graves, como complicações de saúde — saiba mais sobre os hábitos que interferem na produtividade.

Seja mais produtivo no ambiente de trabalho

Aprender técnicas para aumentar a produtividade no trabalho além de ampliar o seu desempenho profissional ajuda a reduzir a ansiedade, pois estará mais preparado para enfrentar as tarefas diárias.

Há uma estratégia muito difundida em profissionais liberais e empresas inovadoras em todo o mundo, que consiste em dividir o tempo de trabalho em blocos de 20 a 40 minutos, descansando brevemente entre eles. Esse plano auxilia no controle de estresse a ansiedade, já que as pausas relaxam a mente, mesmo que por pouco tempo.

Organizar a rotina diária de trabalho também é fundamental, pois ter a consciência das tarefas a serem realizadas de forma estruturada tranquiliza a mente quanto a isso. Ou seja, você exclui uma preocupação de sua cabeça.

Diante disso, você viu como diminuir a ansiedade no ambiente de trabalho é possível a partir da criação de novos hábitos e tomada de atitudes diárias. Uma equipe bem cuidada, livre de estresse, reconhecida e satisfeita com o seu desempenho gera muito mais produtividade e retorno para a empresa.

Gostou das nossas dicas? Então, compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e mostre a todos a importância do controle do estresse e ansiedade no ambiente de trabalho!

In Hábitos, Gerenciando tarefas, Menos Estresse, Redução do Stress, Nervoso, Diminuindo a ansiedade, Ganhando foco

Alerta máximo: 7 sintomas do stress que merecem sua atenção já!

O stress é uma condição preocupante porque pode levar a outras doenças, como transtorno de ansiedade, enxaqueca, gastrite, entre outras. Você já parou para pensar em todas essas complicações? A melhor maneira de prevenir esses problemas é mantendo-se atento aos sintomas do stress.

Tudo indica que poucas pessoas prestam atenção aos primeiros sinais dessa doença. De acordo com uma pesquisa do International Stress Management Association (Isma - Brasil), 70% dos brasileiros sofrem com stress.

No mundo todo, esse número, alarmantemente, para a OMS (Organização Mundial da Saúde), é ainda maior: chega a 90% das pessoas, sendo o local de trabalho um dos lugares mais comuns em que esse problema é desenvolvido.

Razões para o stress

Entre os principais motivos que causam ou levam o stress a ser desenvolvido, estão medicamentos, cafeína, prazos curtos para a realização de tarefas, privação de sono e repouso, problemas financeiros, problemas sociais, entre outras coisas.

Para as empresas, um colaborador com esses problemas tende a ter seu desempenho afetado. Entre outras coisas, ele pode causar queda da produtividade, erros desnecessários, atrasos na entrega de projetos, acidentes de trabalho, aumento dos custos com saúde, entre outras coisas.

Por isso, funcionários com problemas de stress podem representar, até mesmo, uma perda de receita significativa para a empresa.

A melhor maneira de prevenir isso? Mantendo a atenção direcionada aos sintomas. Confira!

1. Cansaço constante

A sensação de fadiga constante, mesmo depois de um fim de semana relaxante, é um sinal claro de que o corpo não descansou por completo. A pessoa estressada está sempre em sinal de alerta e, por isso, os momentos de lazer acabam não sendo 100% proveitosos.

Para o neurologista Renato Anghinah, coordenador do Núcleo de Neurologia do Hospital Samaritano de São Paulo, o cansaço constante também pode ser sintoma de doenças, como distúrbios de sono, depressão, hipotireoidismo, anemia, carência de determinadas vitaminas, doenças cardiovasculares e pulmonares e infecções.

"Por isso, é importante procurar auxílio médico para encontrar as causas do problema e seguir com um tratamento adequado", disse em entrevista ao UOL.

2. Irritabilidade

A sensação de que se está irritado o tempo todo também pode ser um dos sintomas do stress. Situações que antes não incomodavam e, agora, estão trazendo aborrecimentos facilmente, falta de paciência com coisas simples e mau humor quase constante são alguns sinais de esgotamento.

É claro que, no dia a dia, é comum se sentir irritado com as mais diversas situações. Diante disso, vale observar se a irritabilidade é constante ou se ser mais “esquentado” não é uma simples característica da pessoa.

3. Ganho de peso

Devido ao stress, muita gente desconta na comida as frustrações, ainda que inconscientemente. Além disso, essa condição diminui a prática de atividades físicas e, segundo a ciência, aumenta os níveis de cortisol. Com mais desse hormônio no sangue, o corpo poupa mais energia, o que se traduz em acúmulo de gordura e ganho de peso.

O próprio sobrepeso, independentemente de sua origem, pode causar outros problemas. Um estudo publicado na revista científica "New England Journal of Medicine", em 2017, sugere que mais de 2 bilhões de crianças e adultos sofrem problemas de saúde ligados ao sobrepeso, como diabetes tipo 2, doenças coronárias e câncer.

4. Sentimentos de solidão e abandono

O stress, quando em excesso, pode trazer uma resposta impulsiva a qualquer estímulo do ambiente. Ou seja, quem está estressado tende a reagir de modo agressivo ou, até mesmo, descontrolado em situações corriqueiras.

Ao perceber que está reagindo dessa maneira, a própria pessoa estressada pode começar a tomar atitudes que afastem as pessoas  afinal, ela não quer incomodar os outros e deixar de ficar estressada não é uma opção. Vira, então, uma bola de neve. A partir disso, a pessoa começa a se sentir sozinha, ao mesmo tempo em que não quer ter outros contatos.

5. Dores musculares

Como imprime tensão no organismo, o stress também leva a dores musculares. Os ombros erguidos são indicativos dessa condição e, frequentemente, surgem dores na coluna, no pescoço ou mesmo enxaquecas.

Pelo fato de o corpo estar sempre em estado de alerta, os músculos não relaxam, o que pode causar torções ou a própria fadiga.

É claro que é preciso cuidado para não criar um alarde desnecessário. Afinal, de acordo com o fisioterapeuta do Centro de Traumatologia do Esporte da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Maurício Garcia, as dores musculares são as mais prevalentes entre aquelas que incomodam uma pessoa ao longo da vida.

De acordo com ele, essas dores podem ser agudas ou crônicas. No primeiro caso, aparecem após um esforço físico muito grande e se manifestam durante um período específico de tempo; no segundo, são persistentes, destacou ementrevista ao UOL.

6. Sintomas físicos

Outros sintomas físicos incluem a falta de libido, a falta de energia para praticar esportes, trabalhar e estudar e realizar atividades cotidianas. Quem sofre de stress também pode apresentar problemas, como tonturas, náuseas, taquicardia e dor no peito. Em alguns casos, surgem comportamentos que antes não apareciam, como beber demais ou roer as unhas.

7. Falta de concentração

Hoje em dia, de certa forma, todo mundo diz ter problemas de concentração por causa da tecnologia e das diversas funções que as pessoas, cada vez mais, têm de desempenhar no trabalho.

No entanto, de acordo com o psiquiatra da Santa Casa do Rio de Janeiro, Fábio Barbirato, é impossível ver e fazer tudo perfeitamente. “A pessoa acaba cometendo erros grosseiros", disse à Folha de S. Paulo.

Então, como saber se a falta de concentração é sobrecarga, stress ou as duas coisas? Não existe uma resposta concreta a não ser ficar atento para observar se a falta de concentração é acompanhada de outros sintomas.

O stress está presente na vida de muitas pessoas que têm o dia a dia agitado e uma rotina corrida. É muito importante incentivar a consciência corporal, a avaliação de sinais e a leitura do próprio corpo. Ao detectar sintomas de stress, é preciso procurar ajuda, que pode ir desde a terapia até a prática de um hobby ou de meditação.

Procurando atividades que amenizam o stress, é bem mais fácil viver de uma forma mais leve, realizando uma atividade de cada vez. Gostou de saber mais sobre os sintomas do stress? Quer ter acesso a mais conteúdos como este? Siga nossas postagens do blog por meio da nossa newsletter e fique por dentro de todas as nossas novidades! Vamos lá!

In Redução do Stress, Merecem sua atenção, Sintomas do Stress, Sinal de alerta

Entenda o que é Perceived Stress Scale

A Perceived Stress Scale (PSS), ou Escala de Estresse Percebido, como chamamos aqui no Brasil, foi desenvolvida para que se possa medir em que grau de estresse estão as situações na vida de alguém. O nível de estresse é medido conforme as pessoas percebem que suas demandas são maiores do que elas são capazes de lidar.

In Redução do Stress, Motivos para meditar, estudo da PSS, Perceived Stress Scale, sistema nervoso simpático