Daniel Burd

Daniel Burd
Daniel Burd (daniel.burd@calldaniel.com.br) Coach, Instrutor e Palestrante. Estudou Física na Universidade de São Paulo, autor de livros e apaixonado por Produtividade. É certificado na metodologia 6Ds para desenho de treinamentos e também na metodologia ROI (analise do retorno sobre investimento em treinamentos) onde foi capacitado pelo próprio Jack Phillips fundador do ROI Institute. Foi o primeiro certificado da David Allen no Brasil na metodologia GTD. Pelo sucesso de seus treinamentos, foi convidado para expandir suas fronteiras treinando profissionais em boa parte do mundo (África do Sul, Singapura, China, Europa, EUA, Canadá e vários países da América do Sul).
encontre-me aqui:

Novidades

Por que praticar a Comunicação Não-Violenta no trabalho?

Fomentar um ambiente de trabalho colaborativo com relações interpessoais harmoniosas é um desafio para qualquer organização. Conflitos sempre existem. Afinal, onde há pessoas reunidas podem surgir divergências e antipatias pessoais naturalmente. No entanto, é possível que sua empresa alcance um clima organizacional positivo com algumas táticas, como a Comunicação Não-Violenta.

Esse tipo de abordagem estimula a empatia e o bem-estar. Vamos conhecê-la melhor? Acompanhe as próximas linhas!

Quais os fundamentos da comunicação não-violenta?

Nos anos 1960, o psicólogo norte-americano Marshall B. Rosenberg criou o processo de comunicação não-violenta (CNV), que busca facilitar o diálogo entre as pessoas a partir da observação e da empatia. No âmbito corporativo, o objetivo é conseguir melhorias no clima organizacional e na produtividade da empresa, sem humilhações, ofensas, coações e ameaças a nenhum colaborador.

Segundo Rosenberg, a base da CNV é a integração de 4 posicionamentos:

  1. Consciência: conjunto de princípios para uma vida de compaixão, colaboração, coragem e autenticidade.
  2. Linguagem: perceber que as palavras aproximam e distanciam pessoas.
  3. Comunicação: saber expressar desejos, ouvir o outro mesmo em desacordo e avançar para soluções eficazes.
  4. Meios de influência: compartilhar o “poder” com outros em vez de usar “poder sobre os outros”.

A partir disso, a ideia é oferecer aos colaboradores de todos os níveis hierárquicos habilidades de comunicação que transformem o ambiente de trabalho em um lugar melhor e atinjam resultados como:

  • Fortalecimento da lealdade;
  • eficiência na resolução de conflitos internos;
  • diminuição do estresse, ansiedade e absenteísmo;
  • aumento da produtividade de cada colaborador;
  • promoção do crescimento pessoal.

Quais os passos para a CNV funcionar?

A CNV consiste na absorção dos seguintes elementos-chave. Confira.

Observar sem julgamento

Evitar julgamentos é muito difícil, mas quando surgir algum problema é preciso dizer o que aconteceu de forma clara (baseando-se no fato) e sem generalismos. Por exemplo: “Você chegou atrasado 3 vezes nesta semana”, em vez de “Você sempre se atrasa!”. Ou ainda, “Gostaria que você não utilizasse o celular durante nossas reuniões, pois preciso de suas contribuições”, em vez de “Você só mexe no celular na reunião e não me ajuda”.

Dar nome aos sentimentos

Saiba determinar o que sente quando alguma situação desagrada e enfatize isso a seus pares. Isso ajuda que eles compreendam sua posição e cria empatia. Mas lembre-se de que você não pode culpar ninguém por seus sentimentos. Essa é uma questão sua. Afinal, todos somos vulneráveis. Sendo assim, seja claro com frases como: “Toda vez que você deixa de entregar algo no prazo me sinto inseguro”.

Identificar as necessidades e expressá-las

Nesse passo, tenha um olhar interno para determinar quais necessidades despertam certos sentimentos. Por exemplo: “Quando você grita, fico muito nervoso. Peço que me respeite, por favor”. Por outro lado, a empatia aumenta quando você tenta descobrir o que leva o outro a agir dessa forma e quais necessidades ele gostaria que fossem atendidas.

Fazer pedidos claros e viáveis

Para resolver o conflito, seus pedidos devem ser claros e factíveis. Não diga frases como: “Exijo que não grite!”. Prefira “Por favor, utilize um tom de voz mais baixo ao falar comigo”. Mas o principal é, ao final da conversa, certificar-se de que ambos tenham a mesma compreensão dos fatos. Encerre perguntando se o outro realmente entendeu o que foi dito.

Por que a CNV contribui para o clima organizacional?

Como você percebeu, o objetivo da comunicação não violenta é fortalecer vínculos. Sendo assim, implicitamente está o valor das relações interpessoais saudáveis. A partir do momento que os colaboradores se sentem motivados a desenvolver a empatia e a compaixão, o clima melhora, o nível de satisfação aumenta e a produtividade cresce. 

Isso porque o engajamento das pessoas com seu trabalho depende principalmente de um ambiente em equilíbrio, onde elas se sintam felizes e respeitadas.

Consagrada em todo o mundo, a Comunicação Não-Violenta pode ser aplicada em sua empresa desde já. Você verá como as relações harmoniosas fazem total diferença para a resolução de conflitos que muitas vezes são simples, mas que podem impactar o cotidiano.

Se você gostou deste artigo, compartilhe-o em suas redes sociais e debata com seus amigos sobre este tema relevante às relações humanas no trabalho!

In CNV, Comunicação Não-Violenta

Insatisfação crônica: veja o que fazer para superar essa situação

Ficar na zona de conforto não é positivo para quem deseja atingir o progresso e novas possibilidades. Ao mesmo tempo, é preciso ponderar algumas questões para não correr um risco que é cada vez mais comum: o da insatisfação crônica.

In insatisfação crônica

5 dicas incríveis de como aumentar a felicidade em situações difíceis

Ser feliz é essencial na vida de todo ser humano. Porém, muitos acham essa busca inalcançável. Isso não é verdade. É possível, sim, encontrar e saber como aumentar a felicidade até mesmo em situações difíceis.

In como aumentar a felicidade

Entenda como a prática da meditação auxilia no tratamento da depressão

A prática da meditação ajuda o cérebro em vários níveis. Ela é uma aliada para melhorar a atenção, o foco e a memória, bem como a produtividade. Além de tudo, a execução adequada é capaz de auxiliar o tratamento da depressão.

In Depressão, prática da meditação

Não sabe o que influencia a nossa inteligência? Entenda como o cérebro aprende!

cérebro é o centro do sistema nervoso no ser humano e em todos os animais vertebrados. Na verdade, é um dos maiores “processadores” do mundo. Ele processa informações, analisa todas com base na experiência de vida e apresenta tudo para nós em poucos segundos.

In como o cérebro aprende

Aula de meditação: entenda o que é e como ela funciona na prática

Você sabia que proporcionar uma aula de meditação nas empresas pode ser uma experiência muito enriquecedora para os colaboradores? Isso se justifica pelo fato de a prática proporcionar o aprimoramento da capacidade de foco e paciência, o que é benéfico para o cumprimento de metas e para melhorar a relação interpessoal, por exemplo.
In aula de meditação

Você está sabotando sua presença de liderança? Saiba o que fazer

Ter uma presença de liderança, expressão comumente utilizada no universo corporativo,  significa reunir um conjunto de características que ajudam o líder a comandar e engajar os liderados. Algumas delas são comprometimento, agilidade e equilíbrio emocional para entregar resultados satisfatórios.

O líder precisa conciliar as necessidades da empresa, colaboradores, clientes e parceiros, além de suas próprias. A falta de preparo para essas responsabilidades acarreta consequências que sabotam sua liderança, como estresse, queda na produtividade, conflitos que ficam sem resolução, falta de credibilidade interna e engajamento junto à sua equipe.

Essas falhas prejudicam o seu lado profissional e trazem, inclusive, malefícios para a sua saúde mental e física. Quer saber como corrigi-las? Confira, abaixo, o que fazer para não sabotar a sua presença de liderança!

Faça uma pausa com propósito

Escolha um período do dia para fazer uma pausa com propósito, com um objetivo específico, de preferência em momentos de estresse e ansiedade. Assim, você pode utilizá-lo para repor as suas energias ou colocar os seus pensamentos em ordem para posteriormente voltar ao trabalho com mais afinco.

Antes de uma reunião, reserve de 20 a 30 minutos antes do evento para se preparar. Respire fundo, contando 10 respirações, e visualize um ser muito consciente, pacífico e habilidoso. Busque refugiar-se nessa pessoa para se manter tranquilo mesmo que o tema da reunião seja conflituoso.

Use o estresse como um sinal

Ficar horas tentando resolver uma situação é estressante, o que faz com que você não consiga se concentrar e usar todo o seu potencial para solucionar o impasse. Por isso, é recomendável prestar atenção nos seus níveis de estresse no decorrer do dia e os utilizar como referência para fazer as suas pausas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 90% da população mundial sofre de estresse em algum momento da vida, tendo complicações físicas e comportamentais por causa disso.

Insistir em continuar trabalhando sem obter sucesso e estressado pode gerar mais estresse não só em você, mas também na sua equipe, e facilitar brigas e desentendimentos, levando o seu foco para outras coisas que não a resolução do problema inicial.

Note os padrões de pensamento durante as pausas

Preste atenção nos seus padrões de pensamento durante as pausas — isso lhe ajuda a entender melhor o seu comportamento e agir para neutralizar as falhas que estão sabotando a sua presença de liderança.

Caso tenha pensamentos relacionados à raiva ou irritação, não diga ou faça qualquer coisa na hora. Observe a sua respiração até se acalmar, tentando relaxar e restaurar-se antes de tomar uma atitude. Dessa forma, você evita tomar decisões erradas e que prejudicam sua performance profissional.

Familiarize-se com pensamentos reativos habituais

Aprimorar o autoconhecimento é imprescindível para lidar bem com as suas emoções. Para isso, familiarize-se com os pensamentos reativos habituais, que são os primeiros a surgirem na sua cabeça em qualquer situação, e deixe de agir sem fazer uma reflexão do que está acontecendo.

Por meio disso, você pode ter mais autocontrole sobre as suas projeções mentais e emocionais, aprendendo a gerenciar melhor os problemas pessoais e profissionais com maior harmonia, inteligência e precisão.

Utilize o mindfulness e a prática da atenção plena

Mindfulness é definido como um estado mental de controle sobre a capacidade de se concentrar nas atividades e sensações do presente. Essa prática usa técnicas de meditação para treinar o seu cérebro a alcançar melhores resultados nas tarefas realizadas, além de modificar a forma como você administra e reage diante de situações estressantes.

Em entrevista dada à revista Psychology Today, Jon Kabat-Zinn, PhD e Diretor da Clínica de Redução de Estresse, na Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, explica que meditar faz com que o praticante acabe com o estresse sem esquecer-se da sua ''dor'', ou seja, mantendo o foco na resolução dos problemas e objetivos.

Para aplicar o mindfuldness de maneira eficiente e manter a sua presença de liderança, é essencial contar com ajuda especializada, com profissionais capacitados para direcionar a sua concentração.

Quer saber como o mindfulness pode ajudar a ser um líder bem-sucedido? Entre em contato com a Call Daniel e descubra o que fazemos por você!

In presença de liderança

Entenda porque ficar "sem fazer nada" pode te ajudar a ser mais produtivo no trabalho!

O corpo humano funciona em ciclos, e não como uma máquina contínua. Esses ciclos são chamados de ritmos ultradianos, variando de pessoa para pessoa e tendo a capacidade de aumentar a produtividade no trabalho, por exemplo.

In produtividade no trabalho

Mindfulness: veja como esse método auxilia na redução da ansiedade!

O mindfulness, resumido como a capacidade de focar no momento presente, tem chamado a atenção de diversos pesquisadores. O motivo disso é a qualidade dos resultados obtidos por quem realiza essa prática diariamente.

Segundo a pesquisa do Professor John Durocher, da Michigan Technological University, uma hora por dia traz benefícios incríveis e pode revolucionar a vida dos praticantes. O principal deles é a redução da ansiedade, um mal compartilhado pela grande maioria das pessoas, ainda mais com um dia a dia cada vez mais turbulento.

Mas como o mindfulness ajuda nisso? É o que você vai descobrir com este artigo. Boa leitura!

Promove a mudança de atitude

A mudança de atitude é uma das principais vantagens do mindfulness, e não falamos de uma simples alteração no comportamento, mas sim de uma mudança radical. Quando prestamos mais atenção em tudo ao nosso redor, fica mais fácil perceber os nossos erros e acertos.

Diante disso, uma nova postura é consequência e acontece de forma quase automática para quem pratica o mindfulness com regularidade. Melhorar a sua posição diante dos fatos traz mais forças para encará-los e, a partir disso, encontrar soluções.

Melhora a qualidade de vida

Se ampliarmos os benefícios do tópico anterior, vemos que melhorar a atitude acarreta em algo muito mais significativo: uma mudança de vida. Quem não gostaria de controlar a ansiedade e o estresse e, assim, ter menos preocupações no dia a dia? Nesse ponto o mindfulness ajuda muito. Por mais simples que a prática seja, os resultados poderosos justificam o porquê de tanta atenção para essa técnica.

Um grande erro cometido por quem tem o primeiro contato com o mindfulness é considerar perda de tempo a dedicação de um momento diário para praticá-lo. Pelo contrário, a sequência da prática mostrará um ganho de tempo na verdade.

Com a redução do estresse e da ansiedade, a produtividade aumenta e permite fazer mais em menos tempo. Portanto, investir um momento diário para a prática do mindfulness é benéfico em todos os sentidos e vale a pena ser feito para quem deseja uma performance melhor.

Ajuda a ser mais consciente

Quantas coisas passam e não percebemos? É comum essa sensação de achar que o tempo passa rápido. Parte dela pode ser explicada pelo fato de estarmos inconscientes durante a maior parte do tempo. Ou seja, não conseguirmos observar ativamente as experiências vividas. 

Com o mindfulness, isso muda. Afinal, ele ajuda o praticante a se tornar um observador mais ativo. Os resultados melhoram com a prática e, por isso, é tão importante valorizar a sequência para o mindfulness ser, acima de uma atividade, um estilo de vida.

Afasta a pressão alta

A pressão alta, em muitos casos, surge como consequência do estresse. Como o mindfulness reduz esse sentimento e também a ansiedade, acaba naturalmente por afastar a pressão alta.

Além disso, a prática também auxilia para afastar e minimizar outras doenças, como câncer, derrame, depressão, insônia e cardiovasculares. Isso porque todas elas podem surgir com a falta de gerenciamento do estresse.

Conforme um estudo feito pelo Professor David Creswell, da Universidade Carnegie Mellon, a redução do estresse ocorre por aumentar a atividade do córtex pré-frontal e melhorar os níveis de consciência. As atividades na amígdala, cíngulo anterior do córtex e hipotálamos, todos responsáveis por ativar respostas ao estresse, são diminuídas. Dessa forma, o sentimento pode ser melhor gerenciado.

Todos os benefícios aqui apresentados mostram por que o mindfulness é tão procurado, praticado e elogiado atualmente. A prática diária funciona como um portal para ganharmos uma qualidade de vida inimaginável. Basta ter disciplina para fazer dela uma atividade constante no seu cotidiano.

E como seria se você aprendesse essa prática ainda hoje? É o que o Programa Mind oferece. Entre em contato conosco e descubra mais sobre esse incrível método!

In mindfulness

Músicas para ouvir no trabalho: veja 4 opções inspiradoras

A rotina corporativa muitas vezes é intensa e costuma provocar certo nível de cansaço físico e mental nos membros da equipe. Uma forma eficiente de combater os efeitos do estresse, sem prejudicar a produtividade, é ouvir música durante o trabalho.

São inúmeros os benefícios dessa prática. Trabalhar ouvindo música aumenta a concentração, diminui a fadiga e gera uma atmosfera de bem-estar. Por certo, não seria qualquer opção musical que reuniria tantas vantagens. Melodias agitadas demais, tanto quanto aquelas mais monótonas, poderão ser escolhas ruins e prejudicar a performance dos colaboradores.

Então, qual o melhor tipo de música para ouvir no trabalho? Reunimos aqui 4 ideias inspiradoras. Leia o texto e saiba mais!

1. Comece seu dia com entusiasmo

Para dar início à sua rotina com bastante animação, opte por músicas alegres que gerem empolgação para o dia. Bom humor e um sorriso contagiante são a melhor forma de criar uma atmosfera positiva no seu ambiente de trabalho.

Algumas opções são: Happy, de Pharrel Willians; Smile, de Lilly Alen; The pretender, da banda Foo Fighters, entre outras que apresentam uma batida animada, assim como mensagens positivas. É cientificamente comprovado que a música tem a capacidade de mudar o estado de ânimo dos seres humanos. Portanto, se o objetivo é gerar bem-estar, as canções depressivas ou que lembrem momentos ruins devem ser evitadas.

2. Estimule sua criatividade

Situações que exigem a solução de um problema complexo ou o bom uso da criatividade podem ser mais bem administradas na companhia de uma boa música. Entretanto, para que o som possa realmente estimular a capacidade criativa, e não ser um fator de distração, é importante que reúna algumas características.

Em primeiro lugar, é melhor evitar músicas que o ouvinte conheça muito bem, ou que lembrem situações específicas de sua vida. Portanto, a playlist preferida não é a melhor opção nessa circunstância. Música boa para ouvir no trabalho é aquela que estimula o pensamento, não incomoda, e tem relação com o tipo de função que o colaborador precisa desempenhar, mas sem tirar seu foco. Por isso, as melodias instrumentais, como jazz, artistas eruditos, new age e house music podem ser ótimas seleções.

3. Tente abrandar os locais tumultuados

Se o ambiente laboral é muito tumultuado e barulhento, pode ser que a capacidade de concentração da equipe fique bastante prejudicada, gerando até mesmo um certo mal-estar ou incômodos para quem exerce suas atividades no lugar. Nesses casos, a música pode ser uma ótima forma de se desligar do mundo e evitar o estresse e os burburinhos. 

Usar fones de ouvido é uma boa proposta. Assim, cada um pode ouvir o que desejar, sem invadir o espaço alheio. Uma boa dica é evitar músicas nacionais: prestar atenção no que diz a letra pode distrair bastante. A música No roots, de Alice Merton, poderá ser bem conveniente, assim como as canções de animes e trilhas sonoras de filmes.

4. Aposte em sons relaxantes para os intervalos   

Se o dia está sendo mais estressante que o normal, pode ser uma boa opção tirar alguns minutos de pausa para meditar e se recompor. Sons da natureza, assim como mantras e melodias específicas para a meditação conseguem fazer muito bem.

Ao se concentrar nesse tipo de som, o indivíduo pode aliviar os estados de estresse e desânimo, fazendo com que a mente relaxe e esteja pronta para o desafio seguinte. É bom fechar os olhos e se deixar levar. As meditações guiadas também são excelentes para isso.

A música para ouvir no trabalho deve ser condizente com as tarefas que o colaborador precisa executar e criar uma atmosfera favorável à execução daquelas funções. Evite sons muito agressivos se o dia está estressante ou músicas que lembrem alguma situação difícil da vida.

É importante ainda lembrar-se de respeitar o espaço alheio. Portanto, som alto não é uma iniciativa interessante. Quando quiser ter um pouco mais de volume, desde que respeitando sua saúde auditiva, dê preferência para os fones de ouvido.

Gostou deste post? Continue com a gente e saiba mais sobre cansaço mental.

In música para ouvir no trabalho